background preloader

Politics Inbox

Facebook Twitter

O que há na ação que pede mais de R$ 100 milhões para os indígenas Xavante - Nexo Jornal. Povo Xavante participa de dança ritual no Mato Grosso Uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal do Estado do Mato Grosso pretende indenizar os Xavante em mais de R$ 100 milhões pelo que os procuradores classificam como uma política sistemática de extermínio, conduzida a partir dos anos 1960.

O que há na ação que pede mais de R$ 100 milhões para os indígenas Xavante - Nexo Jornal

A peça reconstitui em detalhe o que os procuradores entendem ter caracterizado um longo processo de escravização e de posterior expurgo e morte de centenas de indígenas. Os Xavante do Mato Grosso habitavam terras Marãiwatsédé, que vieram a ser ocupadas por latifundiários, num processo que se desenrolou ao longo de anos, com amplo apoio de órgãos dos governos estadual e federal, sobretudo durante a ditadura militar (1964-1985), de acordo com os procuradores. Em seus locais de origem, a mata nativa deu lugar a milhares de hectares de pasto, provocando danos ambientais e culturais irreversíveis, para os quais, meio século depois, a Justiça busca, pelo menos, reparo e compensação.

BIG DATA: o segredo por trás da eleição de Trump. Em 9 de novembro, por volta das 8h30, Michal Kosinski acordou no Hotel Sunnehus, em Zurique.

BIG DATA: o segredo por trás da eleição de Trump

Comentário da Semana: Entre boatos e robôs, um jornalismo necessário – objETHOS. You'll Never Think About Mass Media the Same Way Again After Watching This Noam Chomsky Documentary. Photo Credit: Al Jazeera / YouTube.

You'll Never Think About Mass Media the Same Way Again After Watching This Noam Chomsky Documentary

O que o PT aprendeu com o golpe. Lula permaneceu como elo direto entre as bases sociais sem organização reconhecida e a máquina partidária Foto: Lula Marques/Agência PT Quando o Partido dos Trabalhadores se consolidou como a principal agremiação política da esquerda latino-americana ainda nos anos 1980, parecia que ele tinha uma vantagem: uma liderança carismática submetida a um partido organizado, e não o contrário.

O que o PT aprendeu com o golpe

Ele não era nem como o peronismo, capaz de forjar tendências de direita e esquerda, nem como os partidos centristas sem uma liderança reconhecida, como foram nos anos 1980 o PMDB e o PSDB, no Brasil, e a APRA e a UCR, no Peru e Argentina. O PT foi uma novidade até a maior campanha de massas da história brasileira: as Diretas Já em 1984.

A partir de sua derrota, aquele partido federativo de núcleos de base cedeu lugar a um partido de uma direção majoritária: a Articulação dos 113. Lava Jato fica com Fachin, o ministro 'mais duro do que se esperava' - BBC Brasil. Direito de imagem Marcelo Camargo / Agência Brasil A operação Lava Jato tem um novo relator no Supremo Tribunal Federal - o ministro Edson Fachin foi sorteado para substituir Teori Zavascki, morto há duas semanas.

Lava Jato fica com Fachin, o ministro 'mais duro do que se esperava' - BBC Brasil

O mais novo integrante do STF recebe assim a missão de assumir a condução do caso mais importante do país. A troca ocorre em meio à grande pressão popular por celeridade e punição a políticos corruptos, ao mesmo tempo em que a operação é alvo de críticas de que não estaria respeitando direitos fundamentais dos acusados. Quando indicado pela ex-presidente Dilma Rousseff em 2015, Fachin recebeu muitos ataques por ser visto como um jurista progressista, próximo ao PT e a movimentos sociais como o MST. Temer usava aliados para fins pessoais, diz delator - 11/12/2016. O teor da delação de Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, expõe a atuação do presidente Michel Temer e de seus principais aliados no Planalto, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco, secretário de Parceria de Investimentos.

Temer usava aliados para fins pessoais, diz delator - 11/12/2016

Segundo Melo, "o atual presidente da República também utilizava seus prepostos para atingir interesses pessoais, como no caso dos pagamentos que participei, operacionalizado via Eliseu Padilha". O nome Michel Temer (ou só o sobrenome dele) aparece 43 vezes no relato. Padilha, apelidado de "primo", é mencionado 45 vezes e Moreira Franco, o "angorá", 34.

O ex-ministro Geddel Vieira Lima, o "babel", e que pediu demissão recentemente, surge em 67 trechos. Temer dá status de ministro a Moreira Franco, citado na Lava Jato - 02/02/2017. Na mesma semana em que o STF (Supremo Tribunal Federal) homologou 77 delações premiadas da Odebrecht, o presidente Michel Temer concedeu status de ministro a Moreira Franco, um dos seus principais conselheiros e aliados.

Temer dá status de ministro a Moreira Franco, citado na Lava Jato - 02/02/2017

Hoje secretário-executivo do PPI (Programa de Parcerias em Investimentos), o peemedebista passa agora a ter foro privilegiado e só pode ser julgado pela Suprema Corte. Ele foi citado 34 vezes na delação premiada de Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, que o acusou de ter recebido dinheiro para defender os interesses da empreiteira. O peemedebista, apelidado de "angorá" na delação premiada, nega irregularidades. O novo ministro comandará a recém-criada Secretaria Geral da Presidência da República, que havia sido extinta em 2015 pela ex-presidente Dilma Rousseff. A estrutura abrigará, além do PPI, as secretarias de comunicação e administração e o cerimonial, antes vinculados à Casa Civil e à Secretaria de Governo. Ministro do STF afasta Renan Calheiros da presidência do Senado. The Drone Papers. Câmara Transparente. Fonte de Dados: Receita dos Candidatos em 2014, disponibilizada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e dados abertos da Câmara dos Deputados.

Câmara Transparente

A ferramenta “Câmara Transparente” tem como objetivo desvelar as influências econômicas feitas sobre os atuais ocupantes da Câmara dos Deputados. Os dados utilizados retratam as receitas de campanha dos deputados federais que atualmente fazem parte da Câmara dos Deputados e as suas designações para Comissões Temáticas. O banco de receitas eleitoral é o mesmo utilizado na ferramenta “Mosaico Eleitoral”, os dados de receita dos candidatos em 2014, e os dados de composição da Câmara e de pertencimento a comissões temáticas são atualizados periodicamente a partir do portal Dados Abertos da Câmara dos Deputados. Essa ferramenta, que foca em lobby e financiamento de campanha, é dividida em quatro visualizações diferentes. Ranking Políticos. PSDB recusa Secretaria de Governo e quer protagonismo na economia. Pedro Venceslau, Erich Decat, Sonia Racy, O Estado de S.

PSDB recusa Secretaria de Governo e quer protagonismo na economia

Paulo 03 Dezembro 2016 | 06h22 Senador Aécio Neves defende apoio a Temer Brasília - Com o governo acuado por uma sucessão de crises políticas e pressionado pelo cenário de retração na economia, o presidente Michel Temer tenta repactuar sua gestão dando mais espaço para o PSDB. Qual é a relação entre o financiamento de campanhas eleitorais e a elaboração de leis no Brasil - Nexo Jornal.

Tese - Interesses econômicos, representação política e produção legislativa no Brasil sob a ótica do financiamento de campanhas eleitorais Autor Bruno Carazza dos Santos Orientadora Amanda Flávio de Oliveira Área e sub-área.

Qual é a relação entre o financiamento de campanhas eleitorais e a elaboração de leis no Brasil - Nexo Jornal

Julie Bindel: "Desculpe, mas não podemos banir tudo que lhe ofende" “Estado ineficiente”, mito medíocre. Há trinta anos, mídia martela suposta superioridade da iniciativa privada. Vale examinar bases desta crença (e interesses por trás dela)… Por Rafael Azzi | Imagem: Matt Kenyon A ideologia liberal defende a ideia de que a iniciativa privada é capaz de produzir bens e serviços de forma eficiente e barata; enquanto o Estado, considerado ineficiente e corrupto, seria simplesmente um obstáculo ao bom funcionamento do mercado. Defending your rights in the digital world.

Why Iceland is Not in the News Anymore. [by Deena Stryker , originally published in OtherJones ] An Italian radio program’s story about Iceland’s on-going revolution is a stunning example of how little our media tells us about the rest of the world. Americans may remember that at the start of the 2008 financial crisis, Iceland literally went bankrupt. The reasons were mentioned only in passing, and since then, this little-known member of the European Union fell back into oblivion. Manuel Castells: ‘O povo não vai se cansar de protestar’ Para o sociólogo catalão Manuel Castells, boa parte dos políticos é de “burocratas preguiçosos”. Ele é um dos pensadores mais influentes do mundo, com suas análises sobre os efeitos da tecnologia na economia, na cultura e, principalmente, no ativismo. Conhecido por sua língua afiada, o espanhol falou ao GLOBO por e-mail sobre os protestos.

Os protestos no Brasil não tinham líderes. Isso é uma qualidade ou um defeito? Let Them Eat Soccer. Zizek: a caminho de uma ruptura global. Brasília, junho de 2013 Chegada dos Protestos ao Brasil e Turquia revela: há mal-estar generalizado contra lógicas e ideologia do capitalismo. Desafio é construir alternativas e nova democracia Por Slavoj Žižek, no London Review of Books | Tradução Vila Vudu Em seus primeiros escritos, Marx descreve a situação na Alemanha como uma daquelas na qual a única resposta a problemas particulares seria a solução universal: a revolução global. É expressão condensada da diferença entre período reformista e período revolucionário: em período reformista, a revolução global permanece como sonho que, se serve para alguma coisa, é apenas para dar peso às tentativas para mudar alguma coisa localmente; em período revolucionário, vê-se claramente que nada melhorará, sem mudança global radical.

Reportagem com Auxílio do Computador (RAC) e jornalismo investigativo. Lighting the Darkest Corners of Government: Glenn Greenwald’s No Place to Hide Explores the Role of Journalism in the Internet Age and How Mass Surveillance Undermines Democracy. Book review and discussion questions for reading groups In No Place to Hide, Glenn Greenwald shows that a modern investigative reporter doesn’t just need the courage to take on the United States government and established media.

He also needs a whole lot of crypto. Mia Couto: para enfrentar as novas Guerras Frias. Reflexão poético-política do escritor moçambicano serve de alerta à redução da maioridade penal ao lembrar: vivemos sob uma “Geografia do Medo” que, enquanto não decifrada, exigirá “produzir inimigos e sustentar fantasmas” Por Inês Castilho “O que era ideologia passou a ser crença, o que era política tornou-se religião, o que era religião passou a ser estratégia de poder.” As palavras de Mia Couto, nome assumido pelo premiado escritor moçambicano Antônio Emílio Leite Couto em razão de seu amor pelos gatos, soaram alto no silêncio da Conferência Estoril de 2011 – a mesma para a qual Eduardo Cunha foi convidado agora em 2015. “A Guerra Fria esfriou, mas o maniqueísmo que a sustinha não desarmou, inventando rapidamente outras geografias do medo a Oriente e Ocidente”, diz ele, num vislumbre do futuro. James Galbraith - Rendam-se ou vocês acabaram. Papodehomem.com. A fala é de 2011, durante a Conferência do Estoril daquele ano.

Em um papo sobre segurança, o escritor moçambicano Mia Couto -- um dos meus preferidos e vencedor do Prêmio Camões (2013), o mais importante da língua portuguesa -- leu esse texto (escrito para a ocasião) que tem muito, mas muito a ver com várias das coisas que queremos passar aqui no PdH. Enfim. Melhor que ficar explicando malucamente, mais fácil é assistir ao vídeo -- fique tranquilo, ele fala português -- com pouco mais de 5 minutinhos. Há, também, a transcrição completa logo abaixo.

Uma lei para acabar com os abusos das imobiliárias. Segundo um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), entre 2007 e 2012, pelo menos meio milhão de famílias (537.148) com renda de até três salários mínimos e que moram nos centros urbanos passaram a comprometer mais de 30% de seu orçamento com a locação de moradia e, desconsiderando a inflação e o aumento da renda do brasileiro, de 2002 a 2012, o valor dos aluguéis aumentou 50%. The Defining Issue: Not Government's Size, but Who It's For)

The defining political issue of 2012 won’t be the government’s size. It will be who government is for. Americans have never much liked government. Observatório da Imprensa – Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito. Concerning the Violent Peace-Police: An Open Letter to Chris Hedges. Concerning the Violent Peace-Police: An Open Letter to Chris Hedges By Suzanne | February 9, 2012 Another one of our authors, David Graeber, has written a response to Chris Hedges’ controversial article “The Cancer in Occupy.” This piece was published this morning over at n+1 and is excerpted here; please head over to n+1 to read it in its entirety. Thanks to David for this thoughtful contribution to the important conversation around the tactics and dynamics of the Occupy movement.

The Future of Special Operations. Over the past decade, the United States' military and the country's national security strategy have come to rely on special operations to an unprecedented degree. As identifying and neutralizing terrorists and insurgents has become one of the Pentagon's most crucial tasks, special operations forces have honed their ability to conduct manhunts, adopting a new targeting system known as "find, fix, finish, exploit, analyze, and disseminate. " Vaticano indicia jornalistas que usaram documentos vazados da Santa Sé. Envolvidos responderão por "divulgação de notícias e documentos reservados", podendo pegar de quatro a oito anos de prisão.