background preloader

Aspectos Políticos

Facebook Twitter

O Paraná e a Velha República. 6/mar/2015, 8h57min Por Paulo Muzell São Paulo, Minas e o Rio de Janeiro dominaram o cenário político brasileiro por mais de quatro décadas: da proclamação da República até a revolução de 1930. São Paulo e Minas pela sua importância econômica e o Rio de Janeiro pelo poder político: até 1961 foi a capital do país. São Paulo e Rio eram as duas grandes metrópoles brasileiras. Vivíamos o período da política “café com leite” da República Velha. No limite sul do estado mais populoso e importante do país localizam-se as terras do Paraná, a última província criada pelo Império, até 1853, apenas a quinta comarca de São Paulo.

O Paraná é resultado da expansão econômica de São Paulo, estado que, por crescer muito, passou a não caber em si mesmo. Terminada a guerra do Paraguai algumas famílias de Curitiba iniciaram o plantio e a exportação da erva-mate, a primeira atividade de grande de importância da nova província. Mas este episódio é apenas uma pequena “ponta de um grande iceberg”. Relacionado.

Requião Filho anuncia que vai protocolar pedido de impeachment de Beto Richa; assista ao vídeo | Blog do Esmael Morais. Você está aqui: Home // Cadernos, Curitiba, Destaques, Notícias, Polí­tica // Requião Filho anuncia que vai protocolar pedido de impeachment de Beto Richa; assista ao vídeo O deputado estadual Requião Filho (PMDB), vice-líder da oposição, prometeu nesta quarta-feira (15) protocolar pedido de impeachment do governador Beto Richa. O parlamentar peemedebista denunciou da tribuna uma manobra contábil aprovada hoje à tarde na Assembleia Legislativa, por 36 votos a 10, que adequa a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) ao rombo nas contas estaduais de 2014, evitando a reprovação pelo Tribunal de Contas (TC). Para Requião Filho, a maquiagem contábil tentada pelo governador paranaense enseja o pedido de impeachment porque o PSDB Nacional protocolou pedido idêntico contra a presidenta Dilma Rousseff (PT). “Mas a questão do Beto Richa é mais grave, por isso seu afastamento é mais viável que o de Dilma”, considerou.

“O PSDB pediu o impeachment da Dilma por ter alterado a LDO. Vem aí em 2015 a Frente anti-Richa. Você está aqui: Home // Curitiba, Destaques, Notícias, Política // Vem aí em 2015 a Frente anti-Richa Debate realizado ontem à noite na Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, deu pontapé inicial naquilo que pode ser considerado embrião de uma frente contra as políticas neoliberais do governo Beto Richa (PSDB). Parlamentares, entidades sindicais, professores, blogueiros, estudantes e intelectuais discutiram as perspectivas das políticas públicas na gestão do tucano. Mais do que isso, alinhavaram algumas diretrizes para uma contraofensiva política dos movimentos sociais nos próximos meses.

Dentre os temas abordados estavam o desmonte da educação pública no estado e o recente pacotaço de Richa, aprovado na Assembleia legislativa, que eleva impostos e aprofunda a crise financeira no Paraná. A iniciativa do evento foi dos professores Valéria Arias e Geraldo Horn, do NESEF (Núcleo de Estudos e Pesquisa Sobre o Ensino da Filosofia) da UFPR e entidades associadas. Contagem regressiva: PMDB pode deixar o governo Richa em 10 dias | Blog do Esmael Morais. Blog do Esmael transmite ao vivo, às 19 horas, encontro regional do PMDB direto de Laranjeiras do Sul; Requião vai liderar mais um comício pela expulsão de “infiéis” e pela saída do partido do governo Richa; agremiação agendou reunião do diretório para dia 27, portanto, adesistas têm sobrevida de 10 dias; “Enquanto nossos adversários estão indo presos, nós, do MDB velho de guerra, estamos visitando as bases discutir um projeto de estado e de país”, discursa Requião, apontando o governo tucano como “o mais corrupto da história do Paraná”.

O presidente estadual do PMDB, Rodrigo Rocha Loures, cumprindo as formalidades legais, publicou ontem (16) edital convocando reunião no próximo dia 27 de abril, às 14 horas, na sede do partido, em Curitiba, para deliberar sobre questões relacionadas à fidelidade partidária. Traduzindo em português claro: a permanência do PMDB no governo Beto Richa (PSDB) entrou em contagem regressiva. Ao que parece, o senador vai vencendo essa guerra intestina. “Não estou propondo a expulsão de ninguém”, jura Roberto Requião. Você está aqui: Home // Cadernos, Cascavel, Curitiba, Destaques, Notícias, Polí­tica // “Não estou propondo a expulsão de ninguém”, jura Roberto Requião Em veemente discurso no último sábado (18), durante encontro regional do PMDB em Toledo, Roberto Requião pregou fidelidade partidária e detonou os deputados do camburão; senador jurou em público que não pretende expulsar os desafetos internos, mas, sim, impor disciplina vertical na legenda; partido entra em contagem regressiva para sair oficialmente do governo do tucano Beto Richa, apenas seis dias; abaixo, assista trecho do discurso de Requião.

O senador Roberto Requião tem aproveitado os encontros regionais do PMDB, no interior do Paraná, para aprovar simbolicamente um pacote de medidas que obriga a fidelidade partidária na agremiação. Na quinta etapa dessas reuniões ocorrida no sábado (18) em Toledo, região Oeste, Requião jurou que não está propondo a expulsão de ninguém ao verticalizar a obediência ao programa e estatuto do partido.

Quando o líder do partido do governador se rebela… | Gazeta do Povo. Há algumas coisas que devem servir como sinal de alerta para um governo. Uma delas é quando o líder da bancada do próprio partido se rebela contra os atos do governante. Foi o que aconteceu nesta segunda-feira na Assembleia Legislativa. Quando o líder do governo, Luiz Cláudio Romanelli (PMDB) anunciou que iria pôr em regime de urgência a reforma da previdência do funcionalismo, a bancada de apoio ao governo chiou.

E chiou alto. Mas o mais curioso: o primeiro a se erguer foi Francisco Bührer, líder do PSDB no Legislativo. “Quando o próprio líder do PSDB disse que não votava, os outros foram atrás”, disse um deputado da base de Beto richa (PSDB). A irritação dos deputados é com o governo. Afinal, quem tem de enfrentar a rebelião do povão no interior, depois, são eles…

Richa age para enquadrar bancada de Ratinho e seu próprio partido | Gazeta do Povo. A Cobertura Mais Completa Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas! Beto Richa gastou R$ 8,98 por voto para vencer eleição ao Governo do PR - notícias em Eleições 2014 no Paraná. Beto Richa (PSDB) foi reeleito Governador do Paraná em primeiro turno (Foto: Bibiana Dionísio / G1) O governador reeleito do Paraná, Beto Richa (PSDB), precisou gastar R$ 8,98 por voto obtido para vencer a eleição no primeiro turno, no início de outubro. De acordo com a prestação de contas apresentada à Justiça Eleitoral, o tucano foi quem mais gastou, dentre os oito concorrentes.

Ele declarou R$ 29.677.127,81 em despesas com a campanha e terminou com 3.301.322 votos, o equivalente a 55,67% dos votos válidos. O prazo para prestar contas à Justiça Eleitoral terminou na terça-feira (4). De acordo com dados divulgados no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os oito candidatos ao Governo do Paraná entregaram os relatórios no prazo. Os concorrentes aos demais cargos que não prestaram contas devem ser notificados em até cinco dias pela Justiça Eleitoral, e terão até 72 horas para apresentar as informações.

Confira detalhes das prestações de contas dos candidatos: Agora vai! Beto Richa visita FHC e pede conselhos para sair da crise e fugir de investigações no PR | Blog do Esmael Morais. Você está aqui: Home // Notícias // Agora vai! Beto Richa visita FHC e pede conselhos para sair da crise e fugir de investigações no PR O governador Beto Richa (PSDB) visitou ontem o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em seu instituto, em São Paulo, e publicou a foto acima em seu perfil no Facebook. Apesar de não confessar, Richa foi pedir conselhos sobre como tirar seu governo do buraco e escapar das investigações de corrupção que chegaram a sua família e rondam seu gabinete. Afinal, sobre quebrar o país e sobre corrupção FHC entende bem. Seus dois mandatos na presidência da República foram marcados pela forte recessão, taxa de desemprego maior que o dobro da atual e juros estratosféricos.

Beto Richa deve sonhar com os tempos de FHC, em que torrar empresas públicas estava na moda, então sempre havia de onde tirar mais dinheiro. Fernando Henrique também teve que aturar greves e manifestações de “baderneiros”, mas para ele tudo parecia mais fácil. Beto Richa (PSDB) derrota Requião (PMDB) e se reelege governador do PR. Beto Richa é reeleito governador do Paraná - 05/10/2014. Após uma gestão marcada por crise financeira e uma campanha acirrada no início, o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), foi reeleito no primeiro turno das eleições deste domingo (5). Com 100% das urnas apuradas, o tucano obteve 56% dos votos válidos. Em segundo lugar ficou o ex-governador Roberto Requião (PMDB), com 28%. A senadora e ex-ministra Gleisi Hoffmann (PT), uma das apostas do PT para as eleições deste ano, conseguiu 15%.

Beto Richa (PSDB) Beto Richa (PSDB) durante votação nas eleições do Paraná Já reeleito, Richa declarou que "o melhor está por vir", sobre seu segundo mandato. Sobre a disputa, Richa disse que enfrentou dois candidatos "muito competitivos", que fizeram uma "campanha impiedosa" contra ele. Richa também afirmou que irá "entrar de cabeça" na campanha de Aécio Neves.

Ele se licenciou do governo na última semana e volta ao cargo nesta segunda (6). Ex-governador por três mandatos, Requião, 73, tem uma verve afiada e protagonizou os debates mais duros com o tucano. Sob cerco no Paraná, perde força no país o movimento anti-Dilma. Pedágio ‘mais caro do mundo’ autorizado pelo governador Beto Richa inibiu locaute de caminhoneiros contra Dilma. Movimento tucano pelo impeachment da presidenta encontra resistência no Paraná, que pede nas ruas “Fora Richa, impeachment já!”.

Governador do PSDB enfrenta greve na educação há 20 dias, que transformou sua popularidade em pó. Às vezes é preciso recorrer à História para que percebamos a importância estratégica do Paraná na geopolítica brasileira. Voltemos a 1894, na cidade da Lapa, onde forças republicanas e legalistas, os pica-paus, resistiram heroicamente 26 dias à ofensiva militar dos maragatos (os federalistas) que tentavam derrubar a nascente República. Os defensores não tinham munição nem homens suficientes para conter os atacantes. O tempo de resistência foi imprescindível para que o presidente Marechal Floriano Peixoto reunisse força para combater os golpistas de antanho.

Nos dois fatos acima, o Paraná teve participação preponderante e decisiva. “A política vem se tornando negócio de família no Paraná” - Gazeta do Povo Mobile. Ricardo Costa de Oliveira é au­­tor de um dos mais comentados livros sobre política no Paraná. O livro O Silêncio dos Vencedores, de 2001, mostra que a cena política local é e sempre foi dominada por algumas poucas famílias que se perpetuam no poder.

Agora, o professor, que ensina ciência política na Universidade Federal do Paraná, prepara um novo volume, que deve causar igual polêmica. A obra A Teia do Nepotismo deve ser lançada no primeiro semestre de 2011. E faz uma longa relação da contratação de parentes por parte dos políticos paranaenses. Em entrevista à Gazeta do Povo, o professor relata por que o nepotismo é tão exacerbado no Paraná. O nepotismo é mais comum no Paraná do que em outros estados? Nepotismo é a relação entre parentesco e Estado.

A prática vem diminuindo? O nepotismo vem aumentando. Quem são os campeões de nepotismo no Paraná? Os campeões de nepotismo todos fizeram estágio na Assembleia Legislativa. A súmula antinepotismo do STF reduz os casos? Nepotismo, um sistema político brasileiro e um sistema de governo paranaense - Opinião. Eu analiso, no livro Na teia do nepotismo, as principais famílias políticas e os parlamentares hereditários do Paraná e do Brasil. A questionável criação de centenas de cargos comissionados no atual governo estadual muitas vezes pode estar corroborada na arcaica tradição política de nepotismos, prebendas e sinecuras familiares variadas para os apaniguados do poder.

Houve boas novidades na luta contra o nepotismo, na construção da transparência e do aperfeiçoamento institucional, pautados nos princípios da legalidade, moralidade, impessoalidade, publicidade e eficiência. A Lei de Acesso à Informação, os Portais da Transparência e a atuação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostram alguns avanços institucionais vindos de cima para baixo. Em dezembro, o CNJ suspendeu o concurso público para cartórios do Paraná, organizado pelo Tribunal de Justiça. Ricardo Costa de Oliveira, sociólogo, é professor da UFPR e autor de Na teia do nepotismo.

Senador tucano diz que derrota em Curitiba foi "castigo merecido" para PSDB do Paraná. “Foi um castigo rotundo, como diria Leonel Brizola. E merecido.” Assim o líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias, avaliou, ao UOL, a derrota de seu partido na eleição municipal de Curitiba. Na capital paranaense, o partido abriu mão de lançar candidato para buscar a reeleição do prefeito Luciano Ducci (PSB), pupilo do governador Beto Richa (PSDB). Para isso, Richa costurou uma ampla coligação de 15 partidos.

Ampliar Imagens da corrida eleitoral pela Prefeitura de Curitiba203 fotos 7.out.2012 - O TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de Curitiba exibe painel eletrônico de resultado do primeiro turno das eleições municipais na capital paranaense. Não deu certo: por 4.402 votos, Ducci ficou de fora do segundo turno, que será disputado por Ratinho Junior (PSC) e o ex-tucano Gustavo Fruet (PDT). “É vexaminoso, deprimente, humilhante [perder já no primeiro turno]. Na opinião do senador, Richa não é um “homem de partido”. Derrota expõe racha no partido 1º Ratinho Junior PSC2ºT 34,09% 332.408 votos 2º 3º.

Nepotismo remonta ao bisavô de Requião - Conexão Brasília. Seções Posts Enviado por admin, 24/08/08 6:59:00 PM Nepotismo remonta ao bisavô de Requião Requião e o governador Alves Filho, de Sergipe, local de origem dos Mello e Silva O nepotismo na família do governador Roberto Requião (PMDB) tem mais de 130 anos, segundo uma descoberta do cientista político e professor da UFPR Ricardo Costa de Oliveira. “A carta diz que o bisavô do governador foi nomeado porque era parente de importantes autoridades do império. Após o bisavô, todas as gerações dos Mello e Silva tiveram cargos públicos. O governador, cujo nome completo é Roberto Requião de Mello e Silva, manteve a tradição dos cargos públicos e do nepotismo herdada do bisavô Justiniano.

Publicado na edição impressa de domingo da Gazeta do Povo Este é um espaço público de debate de idéias. Deputados tucanos reclamam de perda de espaço para o PMDB. Beto Richa 45 - Eleições 2014. Tucano x tucano: Alvaro Dias detona governador Beto Richa. “Não há como ser meia oposição. Vou ser radical” No segundo mandato, governo de Richa dá guinada para a direita - Caixa Zero.

Governistas chegam a acordo: ‘massacre aos funcionários públicos’ Painel da Vergonha. Deputados pagam a conta do “capachismo” - Conexão Brasília. “O que aconteceu no Paraná é um microcosmo do que pode acontecer no Brasil”, diz Requião. Tucanos querem evitar ‘nacionalização’ do conflito. Sob efeito Richa, PSDB do Paraná não consegue candidatos para 2016. Aliados de Alvaro Dias já se mexem por candidatura em 2018 | Gazeta do Povo.