background preloader

Sustainability, permaculture, ecovillages & Nature

Facebook Twitter

This Guy's Built the World’s Coolest Home: A Treehouse with a Skate Bowl, a Hot Tub and an Incredible View. Foster Huntington is the photographer and blogger behind two of the raddest projects we’ve seen in recent years. The Burning House asked people which of their possessions they’d rescue if their home burned down. He followed it up with #VanLife and the resulting photo book, Home Is Where You Park It, which focuses on the van-dwellers that Foster met during three years he spent on the road. Both became online sensations and have helped pave the way for Foster’s latest project – building what looks like the world’s most epic treehouse. “We started this in February and hopefully we’ll be finished in a couple of weeks,” he tells Mpora over the phone from up in the trees outside Portland, Oregon. “I kinda always wanted to have a treehouse as a kid.” “I’ve been travelling for the last three years and I wanted to set up a home base. I really liked living in a small space, like in my camper, and a treehouse kind of seemed like a good evolution of it.”

I Haven't Made Any Trash In 2 Years. Here's What My Life Is Like. My name is Lauren. I'm a 23-year-old girl living in NYC and I don't make trash. For real. No garbage bin, no landfill. Nada. I know what you are thinking. I didn't always live what some call a "zero waste" life. But I started making a shift about three years ago, when I was an Environmental Studies major at NYU, protesting against big oil, and president of a club that hosted weekly talks on environmental topics. Wrong. In one of my classes, there was another student who always brought a plastic bag containing a plastic clamshell full of food, a plastic water bottle, plastic cutlery, and a bag of chips. One day I was particularly upset after class and went home to make dinner and try to forget about it, but when I opened my refrigerator I froze.

This was the first time in my life that I felt like I was able to look at myself and say, "YOU HYPOCRITE. " Quitting plastic meant learning to make all of my packaged products myself. How did I go from zero plastic to zero waste? 1. 2. 3. Blog do AXEL GRAEL: Bairro na Coreia fecha ruas para carros por um mês para testar "cidade do futuro". Festival Ecomobility: um bairro, um mês, e nenhum carro! Setembro de 2013 será um marco na vida dos moradores da cidade de Suwon, na Coreia do Sul. É que eles viverão, até o fim do mês, hábitos de mobilidade urbana sustentável – sem carro. A transformação faz parte de um grande evento que promete revolucionar o olhar sobre a mobilidade das cidades: é o EcoMobility World Festival. O grande objetivo é fazer com que o bairro Haenggungdong, com 4300 habitantes, vire a vitrine global da “ecomobilidade”, provando que, sim, é possível inspirar uma comunidade inteira, quiçá o mundo, a adotar a cultura da mobilidade sustentável.

E já foi dada a largada para a mudança. . - Já senti uma mudança no ambiente, que está mais limpo e agradável. Yong Hee Lee, 62 anos, aposentada - Me sinto muito mais seguro agora, porque não há carros na rua. Jae Hwan Han, de 33 anos, trabalhador em uma fábrica de silício Mas quem pensa que mobilidade sustentável é só andar bicicleta está enganado. Mini documentário mostra porque e como Amsterdã se tornou a cidade dos ciclistas. Um documentário de 10 minutos produzido pela Street Films relata como a cidade holandesa se transformou em um dos maiores polos de ciclistas do mundo. Como qualquer cidade grande, Amsterdã já foi um lugar cheio de carros, poluição, barulho e trânsito. Cansados de estresse diário, a população holandesa decidiu se unir para exigir que a cidade fosse reestruturada para que o principal meio de locomoção fosse a bicicleta. E deu certo! Novos projetos foram criados e a cidade foi redesenhada para os ciclistas.

Ok que por ser uma cidade plana, facilita bastante a reestruturação privilegiando os ciclistas, mas é hora, há tempos, de reimaginar cidades brasileiras dando valor à bicicleta como alternativa de meio de locomoção, de saúde e de vitalidade. 10 ecovilas brasileiras para conhecer em cada região do país. Cada vez mais presentes, as ecovilas são parte de um modelo de assentamento humano sustentável. Ou seja, comunidades urbanas ou rurais onde pessoas vivem em harmonia com a natureza e com um estilo de vida o mais sustentável possível. Para que deem certo, é preciso seguir algumas práticas, como a criação de esquemas de apoio familiar e social, utilização de energias renováveis, produção orgânica de alimentos, bioconstrução, economia solidária, preservação do meio ambiente, entre outros.

É como se as ecovilas resgatassem o modo de sobrevivência mais primário da humanidade, que por milhares de ano viveu em comunidade, num convívio íntimo com a natureza, utilizando-a de forma inteligente e sempre respeitando o ciclo natural das coisas. A partir de 1998, as ecovilas consagraram-se então como uma das 100 melhores práticas para o desenvolvimento sustentável, nomeadas oficialmente através de uma lista da ONU. Confira abaixo algumas ecovilas interessantes para você visitar, ou morar, no Brasil: Freeganismo. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. O freeganismo é um estilo de vida alternativo baseado no boicote ao consumo, já que os processos produtivos geram exploração de animais e humanos, além de graves impactos ambientais.[1] [2] [3] A palavra freeganismo surgiu da junção das palavras em inglês vegan e free,[2] pois a ideia freegan surgiu do veganismo, onde evitam-se impactos ambientais, mas expandindo isto com o anarquismo, ao boicotar também tudo o que gera custos humanos.[1] [3] Desta forma, a curto prazo, o freeganismo propõe reaproveitar alimentos e objetos descartados pela sociedade de consumo, reduzindo o desperdício gerado por ele; a longo prazo, propõe que o movimento seja o produtor de seus próprios meios de sobrevivência.[3] Práticas[editar | editar código-fonte] Um freegan realizando o dumpster diving, mergulho na lixeira ou garimpo urbano.

Referências ↑ Ir para: a b c Reconsiderando o freeganismo. Ver também[editar | editar código-fonte] Site sobre freeganismo: freegan.info. World Wide Opportunities on Organic Farms - WWOOF. Mapa EcoAldeas AbyaYala. Healing Biotope 1. A Mesma Pergunta É Feita Para Pais e Depois Filhos. A Diferença É Um Tanto Impactante. Casca de banana pode despoluir a água, brasileiros descobrem. Purificação | 30/07/2013 10:19 Tratamentos de água atuais não são suficientes para remover resíduos de agrotóxicos de forma a atingir o padrão de potabilidade e evitar riscos à saúde Vanessa Daraya, de sxc.hu Biomassa formada por cascas de banana maduras secas, trituradas e peneiradas conseguiu absorver 90% dos pesticidas da água de um rio São Paulo – Cascas de banana trituradas podem funcionar como um remédio eficaz em águas poluídas por pesticidas.

Para chegar nessa conclusão, os pesquisadores coletaram amostras nos rios Piracicaba e Capivari, e na estação de tratamento de água da cidade. Em seguida, os pesquisadores secaram cascas de banana maduras em um forno a 60ºC por um dia, resultado que também pode ser obtido ao expor o material ao Sol durante uma semana. Esse método tem uma vantagem sobre procedimentos tradicionais.

O carvão ativado (o mecanismo mais usado), por exemplo, é um método caro de despoluição. Environment and Sustainability.

Filmes

Educação Ambiental. Appropedia. Waist Australia. Manual-agricultura-urbana.pdf. ‎www.gaiaeducation.org/docs/EDESpanish.pdf. John Muir. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Para ele o homem era parte da própria natureza, e como tal não pode ser dotado de direitos maiores que os animais (ideias que, mais tarde, foram chamadas de biocentrismo) e tiveram respaldo científico da história natural, especialmente no evolucionismo darwiniano; suas ideias vieram ainda a ser a base do ambientalismo e da ética ambiental que ganharam força a partir da segunda metade do século XX.[1] Visitou todos os continentes da Terra, com exceção daquele que não possui árvores - a Antártica,[2] sobre os quais escrevia procurando influenciar seus contemporâneos; Dentre os epítetos que recebeu estão: "Pai dos Parques Nacionais dos EUA", "Profeta da Vida Selvagem" e "Cidadão do Universo".[3] Os escritos de Muir influenciaram Theodore Roosevelt na criação do Parque Nacional de Yosemite, e muitas barragens deixaram de ser erguidas ou foram interrompidas em territórios dos parques nacionais graças a suas ideias.[3] John Muir Notas e referências Notas.

Grupo cada vez maior de pessoas escolhe ficar longe do consumismo - G1 Rio Grande do Sul - Teledomingo. Notas sobre uma escolha. ‎www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0CCsQFjAA&url=http%3A%2F%2Fpermaculturenews.org%2F2008%2F09%2F18%2Fhumanure-handbook-free-download%2F&ei=21spU5qzGs21kAeDqYDIDA&usg=AFQjCNE3-gMDT8U1raOIL7a_pSd_NlWJmQ&bvm=bv.62922401,d.eW0. MORADORES DE BAIRRO NA SUÍÇA PLANTAM SEU PRÓPRIO ALIMENTO E COMPARTILHAM COM OS VIZINHOS - pindorama.

Essa imagem que você está vendo é a paisagem da Avenida Crozet em Genebra na Suíça. Lá, os jardins das casas da vizinhança foram transformados em hortas comunitárias, onde, todos os vizinhos podem desfrutar dos alimentos colhidos nas plantações. Funciona assim: Cada família planta determinado alimento no jardim de sua casa. Posteriormente, esses alimentos são trocados por outros alimentos plantados em jardins vizinhos. Dessa forma, através da troca, o bairro se tornou uma grande horta comunitária que oferece alimentos para todos os seus moradores. O conceito é antigo e foi criado pelo médico alemão Moritz Schreber no século 19. No ano de 1864, durante uma campanha para aumentar o número de áreas de lazer para as crianças em alguns bairros de países na Europa, os espaços externos das casas começaram a ganhar outro uso.

Foi nessas áreas que as famílias começaram a plantar e cultivar alimentos para seu próprio consumo. No Google Maps você pode encontrar a horta comunitária de Genebra. ‎www.gunterpauli.com/Gunter_Pauli/Home_files/How%20long%20is%20this%20madness%20to%20continue.pdf. 10 ecovilas e comunidades sustentáveis pra conhecer antes de morrer. Por Nômades Digitais De aldeias com casas na árvore na Costa Rica a comunidades de ioga no Havaí, essa seleção reúne algumas comunidades e eco-vilas ao redor do mundo que prezam pela paz e harmonia, criatividade e sustentabilidade. Essas comunidades estão se tornando uma tendência e tem como principal objetivo e fonte de inspiração a vida saudável, mais próxima da natureza e com forte convívio em grupo, onde um ajuda o outro em atividades rotineiras, como colher vegetais frescos direto da horta orgânica e preparar, em uma grande e compartilhada cozinha, uma refeição para as pessoas que habitam o local.

Imagine que incrível viver em uma casa feita de materiais de construção naturais, como areia, madeira, argila e palha, sem hipoteca, cercada por verde e pessoas dispostas a te ajudar no que for preciso. Bem, nessas 10 comunidades que listamos abaixo, isso é possível! 1. Comunidade de Yoga Polestar, Big Island, Havaí O que poderia ser mais relaxante do que uma comunidade de ioga no Havaí? 2. ?cctidx=share-this.