Poetry

Facebook Twitter
Mais Populares Não há dúvida de que é inútil e prejudicial lamentarmo-nos perante o mundo. Resta saber se não é igualmente inútil e prejudicial lamentarmo-nos perante nós próprios. Maior Prazer Dar que Receber - Cesare Pavese Maior Prazer Dar que Receber - Cesare Pavese
Hugo Milhanas Machado é um caso de sucesso na poesia portuguesa contemporânea. Já passava das duas da manhã do dia vinte e cinco quando chegou à Casa dos Poetas, vindo directamente de Salamanca, onde reside Respondeu a algumas questões de Tiago Nené e desapareceu num poema. Nunca mais o vimos. Tiago Nené - Como descreves a evolução entre Clave do Mundo e Mas que Hei-de? Casa dos Poetas - Blogue de Poesia, poetas portugueses e do mundo Casa dos Poetas - Blogue de Poesia, poetas portugueses e do mundo
Mais Populares foram breves e medonhas as noites de amor/ e regressar do âmago delas esfiapava-lhe o corpo/ habitado ainda por flutuantes mãos/ / estava nu/ sem água e sem luz que lhe mostrasse como era/ ou como po... no regresso encontrei aqueles/ que haviam estendido o sedento corpo/ sobre infindáveis areias/ / tinham os gestos lentos das feras amansadas/ e o mar iluminava-lhes as máscaras/ esculpidas pelo dedo ... visita-me enquanto não envelheço/ toma estas palavras cheias de medo e surpreende-me/ com teu rosto de Modigliani suicidado/ / tenho uma varanda ampla cheia de malvas / e o marulhar das noites povoad... Poema: Pernoitas em Mim - Al Berto - Poesia / Poemas no Citador Poema: Pernoitas em Mim - Al Berto - Poesia / Poemas no Citador
Mais Populares foram breves e medonhas as noites de amor/ e regressar do âmago delas esfiapava-lhe o corpo/ habitado ainda por flutuantes mãos/ / estava nu/ sem água e sem luz que lhe mostrasse como era/ ou como po... no regresso encontrei aqueles/ que haviam estendido o sedento corpo/ sobre infindáveis areias/ / tinham os gestos lentos das feras amansadas/ e o mar iluminava-lhes as máscaras/ esculpidas pelo dedo ... pernoitas em mim/ e se por acaso te toco a memória... amas/ ou finges morrer/ / pressinto o aroma luminoso dos fogos/ escuto o rumor da terra molhada/ a fala queimada das estrelas/ / é noite ainda/ o... Poema: Ofício de Amar - Al Berto - Poesia / Poemas no Citador Poema: Ofício de Amar - Al Berto - Poesia / Poemas no Citador
Poema: Amei Demais - Joaquim Pessoa - Poesia / Poemas no Citador Poema: Amei Demais - Joaquim Pessoa - Poesia / Poemas no Citador Mais Populares Estou mais perto de ti porque te amo./ Os meus beijos nascem já na tua boca./ Não poderei escrever teu nome com palavras./ Tu estás em toda a parte e enlouqueces-me./ / Canto os teus olhos mas não se... Quem morre de tempo certo/ ao cabo de um certo tempo/ é a rosa do deserto/ que tem raízes no vento./ / Qual a medida de um verso/ que fale do meu amor?
William Blake

William Blake

William Blake (28 November 1757 – 12 August 1827) was an English poet, painter and printmaker. Largely unrecognised during his lifetime, Blake is now considered a seminal figure in the history of the poetry and visual arts of the Romantic Age. His prophetic poetry has been said to form "what is in proportion to its merits the least read body of poetry in the English language".[1] His visual artistry led one contemporary art critic to proclaim him "far and away the greatest artist Britain has ever produced".[2] In 2002, Blake was placed at number 38 in the BBC's poll of the 100 Greatest Britons.[3] Although he lived in London his entire life (except for three years spent in Felpham),[4] he produced a diverse and symbolically rich oeuvre, which embraced the imagination as "the body of God"[5] or "human existence itself".[6]
Poema: Houve uma Ilha em Ti - Joaquim Pessoa - Poesia / Poemas no Citador Poema: Houve uma Ilha em Ti - Joaquim Pessoa - Poesia / Poemas no Citador Houve uma ilha em ti que eu conquistei. Uma ilha num mar de solidão. Tinha um nome a ilha onde morei. Chamava-se essa ilha Coração. Que saudades do tempo que passei.