background preloader

Poder Judiciário

Facebook Twitter

Gilmar Mendes, ministro com partido. O ministro Gilmar Mendes não é conhecido pelo recato jurídico.

Gilmar Mendes, ministro com partido

Frequentemente sua postura se assemelha mais à de um militante político do que de um magistrado. Mas, convenhamos, há limites para tudo, mesmo em tempos de “ativismo heroico” do Judiciário. Gilmar parece não ter encontrado ainda os seus. Está sempre disposto a dar um passo além, ainda que isso o leve às raias do absurdo. Não há outra forma de descrever a representação que visa a cassação do registro do Partido dos Trabalhadores. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral sugerir a cassação de um partido político é fato extremamente grave.

Antes que venham os ataques de praxe, cabe esclarecer: não sou nem nunca fui militante do PT. O argumento de Gilmar Mendes é que o partido teria sido financiado por recursos ilícitos vindos de empresas com contratos na Petrobrás. Investigação cria núcleo informal de poder no país - Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito. ‘Nós temos uma Suprema Corte totalmente acovardada’, diz Lula a Dilma; ouça. Foto: Carlos Humberto/SCO/STF No dia em que o ex-presidente Lula foi conduzido coercitivamente pela Operação Aletheia para depor em uma sala no Aeroporto de Congonhas, a presidente Dilma Rousseff telefonou para seu antecessor – Lula já estava na sede do PT, onde declarou à imprensa que ‘a jararaca está viva’.

‘Nós temos uma Suprema Corte totalmente acovardada’, diz Lula a Dilma; ouça

Lula foi pego em um grampo, com autorização do juiz federal Sérgio Moro. Dilma não é alvo da investigação, mas caiu na interceptação ao ligar do Palácio do Planalto para seu antecessor. Na conversa com Dilma, o ex-presidente atacou os investigadores, o juiz federal Sérgio Moro, os tribunais superiores e a imprensa.

Ele comenta, indignado, o fato de ter sido ouvido por quase três horas pela Polícia Federal sobre as atividades do Instituto Lula e de sua empresa, a LILS Palestras e Eventos “Se os canalhas tivessem mandado um ofício teria ido prestar depoimento. “É um um espetáculo de pirotecnia sem precedentes, querida. Lula ataca a força-tarefa da Operação Lava Jato. Partido do Supremo Tribunal Federal. Vítimas ou vilãs? Escândalos levantam debate sobre corrupção nas empresas - BBC Brasil.

Os perigos da delação premiada. No dia 11 de novembro último, escrevi um post que terminava prometendo uma continuação, na qual relataria o caso Enzo Tortora, o maior escândalo judicial das últimas décadas na Itália, quiçá da Europa.

Os perigos da delação premiada

Só que a blogagem política no Brasil é uma montanha russa. Todo dia um susto, uma nova tentativa de golpe, um escândalo, uma manipulação torpe, e como eu sou apenas um, nem sempre consigo tempo, tampouco serenidade, para escrever o que eu quero. A gente fica à mercê das tempestades. O caso Enzo Tortora foi mencionado por Henrique Pizzolato, numa entrevista para a imprensa italiana que o Estadão surrupiou e publicou como se fosse dada ao jornal brasileiro, mas mutilando a parte em que o petista compara o seu calvário ao de Tortora. “Sou um novo Tortora”, disse Pizzolato, e a frase foi para a manchete de dois jornais italianos. Quem foi Enzo Tortora? Eu vou resumir a história de Tortora, que na verdade é bem simples. Gilmar Mendes é um bravateiro, diz Guilherme Boulos. O líder do MTST, Guilherme Boulos, dedicou sua coluna na Folha a Gilmar Mendes.

Gilmar Mendes é um bravateiro, diz Guilherme Boulos

Trechos: Gilmar Mendes, todos sabem, é um bravateiro de notória ousadia. Certa vez, chamou o presidente Lula “às falas” por conta de um suposto grampo em seu gabinete, cujo áudio até hoje não apareceu. Lula cedeu e demitiu o diretor da Abin (Agência Brasileira de Inteligência). Mais recentemente, o ministro comparou o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a um “tribunal nazista” por ter barrado a candidatura de José Roberto Arruda (PR) ao governo do Distrito Federal. O próprio Arruda afirmou que FHC –que indicou Mendes ao STF– trabalhou em favor de sua absolvição. Quem vê o ministro Gilmar Mendes em suas afirmações taxativas e bradando contra o “bolivarianismo” pensa estar diante do guardião da República. Mas na prática a teoria é outra. Lobbies, favorecimentos e outras suspeitas mais. São denúncias públicas, nenhuma delas inventada pelo bolivariano que aqui escreve. Dalmo Dallari sobre Gilmar Mendes: “Eu não avisei?”

Heberth Xavier_247 - Há dez anos, exatamente em 8 de maio de 2002, a Folha de S.

Dalmo Dallari sobre Gilmar Mendes: “Eu não avisei?”

Paulo publicava um artigo que geraria grande polêmica. Com o título “Degradação do Judiciário”, o artigo, escrito pelo jurista e professor da Faculdade Direito da USP, Dalmo de Abreu Dallari, questionava firmemente a indicação do nome de Gilmar Mendes para o Supremo Tribunal Federal (STF). A nomeação se daria dias depois, mesmo com as críticas fortes de Dallari, ecoadas por muita gente da área e nos blogs e sites da época. Desde então, Mendes esteve no centro das atenções em inúmeras polêmicas. Em 2009, participou de famosa e áspera discussão em pleno plenário do tribunal com o colega Joaquim Barbosa. Um ano depois, em 2010, na véspera das eleições presidenciais, o Supremo se reuniu para julgar a exigência da apresentação de dois documentos para votar nas eleições.

Julgamentos do STF

Crise do judiciário. Marcos Coimbra: Barbosa passou dos limites em seu desejo de vingança. Quem lida com pesquisa de opinião vê o aumento de eleitores que dizem odiar algo ou tudo na política por Marcos Coimbra, em CartaCapital, encaminhada via e-mail por Julio Cesar Macedo Amorim A figura de Joaquim Barbosa faz mal à cultura política brasileira.

Marcos Coimbra: Barbosa passou dos limites em seu desejo de vingança