background preloader

Privacidade Internet

Facebook Twitter

O que andamos a fazer de ilegal? As redes sociais chegaram há muito aos tribunais portugueses.

O que andamos a fazer de ilegal?

Elas aparecem citadas em processos de despedimento, de regulação de responsabilidades parentais, de difamação. “Não existe nenhum quadro legal específico (uma lei) das redes sociais”, como diz a catedrática Maria Eduarda Gonçalves, investigadora na área do Direito da Informação. Mas a verdade é que alguns juízes têm atendido às características específicas da Internet, e ao impacto que pode ter o que nela se partilha, “para agravar as sanções” impostas a práticas ilícitas que, noutros contextos, que não o do Facebook, por exemplo, dariam lugar a castigos eventualmente mais ligeiros. Contamos alguns casos recentes que chegaram à Justiça. E explicamos o que dizem especialistas na matéria. 1. O juiz Joel Timóteo Ramos Pereira vai directo ao assunto e cita o artigo 79.º do Código Civil: “O retrato de uma pessoa não pode ser exposto, reproduzido ou lançado no comércio sem o consentimento dela.”

Então e se for uma festa pública? 2. APAV cria projecto específico para vítimas de cibercrime. O número de vítimas de cibercrimes tem aumentado e, nos últimos anos, a procura de ajuda junto da APAV tem sido crescente, o que levou a associação a criar um projecto para apoiar vítimas e capacitar técnicos.

APAV cria projecto específico para vítimas de cibercrime

O projecto PROTEUS e foi desenvolvido pela Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), em parceria com a Procuradoria-Geral da República, a Polícia Judiciária, a Procuradoria-Geral Espanhola, a Polícia Romena e o Centro de Violência de Género de Parnu, Estónia, tendo sido co-financiado pela Comissão Europeia. "Aquilo que a APAV vem sentindo é uma crescente procura, por parte de vítimas de diferentes tipos de cibercrime, e sentimos a necessidade de nos preparamos e de definirmos modelos de intervenção e preparar técnicos para prestar o melhor apoio possível às vítimas", explicou Frederico Moyano Marques, assessor técnico da direcção da APAV. As chamadas burlas românticas são também cada vez mais frequentes.

Dicas para manter a sua privacidade na internet. Introdução A internet é um meio de comunicação bastante eficiente: qualquer pessoa pode criar seu espaço para, a partir daí, se fazer conhecer ou interagir socialmente de maneira rápida e abrangente.

Dicas para manter a sua privacidade na internet

Privacidade na Internet. Enquanto navegamos na Internet, são constantes os locais em que nos exigem algum tipo de informação pessoal para que possamos usufruir de forma completa da informação ou utilidade do local que estamos a visitar.

Privacidade na Internet

Tudo começa a partir do momento que assinamos um contrato com um servidor de Internet. Esse servidor irá atribuir-nos um IP, que estará sempre ligado às actividades que efectuamos na Internet. Um IP por si só não indica nada sobre nós, mas permite que a cada actividade esteja associada um IP. Dicas para preservar sua privacidade na internet Dicas para preservar sua privacidade na internet Arrasa! Fica esperta. 10 dicas para configurar a privacidade no Facebook. Eu estou lá.

10 dicas para configurar a privacidade no Facebook

Provavelmente você também. Já somos mais de um bilhão. Seus amigos, familiares, colegas do passado e, claro, um monte de gente estranha que você nunca viu e muitos que você não gostaria de jamais ver — ou que lhe vissem com muitos… detalhes. O Facebook é a rede social mais usada do mundo, como você já deve saber. E é, também, um problemão no que diz respeito à privacidade. Na prática isso significa que é possível definir com bastante precisão como pessoas do seu círculo de amizades e fora dele (público) te veem lá dentro, mas o caminho não é simples, ou óbvio. Por isso tomamos para nós a missão de destrinchar as opções de privacidade do Facebook. Dica #1: Por onde começar? Antes de ir à luta, é importante saber quais são as suas armas. Quem pode ver minhas coisas? Meio escondido, no topo desse menu existe uma barra de busca.

Dica #2: O que é obrigatoriamente público no Facebook Apesar de uma plataforma, o Facebook ainda é, antes de tudo, uma rede social. É basicamente isso. Notícias > Computadores > NSA controla utilizadores que pesquisam por ferramentas de privacidade online. Afinal nem as ferramentas que garantem privacidade aos internautas na utilização de serviços online são totalmente anti-NSA.

Notícias > Computadores > NSA controla utilizadores que pesquisam por ferramentas de privacidade online

Isto porque a Agência Nacional de Segurança norte-americana tem uma ferramenta que automaticamente capta informação dos utilizadores que procuram informações sobre o Tor. Tribunal diz que espionagem da NSA viola privacidade. NSA 'furou' proteção da privacidade na internet. O jornal avançou esta informação com base nos mais de 50 mil documentos filtrados pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden, que trabalhou para a NSA e está asilado na Rússia.

NSA 'furou' proteção da privacidade na internet

A NSA, segundo o The New York Times, terá usado todos os métodos ao seu alcance, desde a persuasão à colaboração forçada de empresas ao roubo de senhas e alteração de 'software' e 'hardware' para ter acesso a comunicações privadas na internet dentro e fora dos Estados Unidos. Milhões de imagens retiradas de redes sociais são encontradas em sites pedófilos. Uma foto na praia com os pais, um registo da primeira festa de aniversário com primos e irmãos a celebrar, um vídeo de uma tarde de divertimento no parque infantil.

Milhões de imagens retiradas de redes sociais são encontradas em sites pedófilos

Imagens inocentes como estas são partilhadas por vários milhares de pais nas redes sociais ou em blogues. Recebem “gosto” e algumas vezes acabam por ser partilhadas por familiares e amigos. São vistas por várias pessoas e facilmente passam pelos olhos de pedófilos.