background preloader

Brasil

Facebook Twitter

Cantinho de Leitura da Mari: Resenha - 1889 - Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil. Amigos do Cantinho!

Cantinho de Leitura da Mari: Resenha - 1889 - Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil

Tenham todos um bom dia! Hoje é feriado e para começar bem o dia, nada melhor do que uma resenha! E nesse feriado da proclamação da República, o livro escolhido é o 1889, que justamente conta a história do surgimento da República brasileira, forma de governo que conhecemos hoje. Não preciso me preocupar em não contar o final, algo realmente incômodo e mal educado, pois o fim da história todo mundo conhece!

A República aparece e o Império cai! Então, vou parar de embromar e vamos ao livro! O que diz a contracapa: Nas últimas semanas de 1889, a tripulação de um navio de guerra brasileiro ancorado no porto de Colombo, capital de Ceilão (atual Siri Lanka), foi pega de surpresa pelas notícias alarmantes que chegavam do outro lado do mundo. O que eu achei: Admito que nunca tinha pensado por esse lado. Explico. "Cartas e documentos sugerem que, embora fosse o imperador do Brasil, dom Pedro II tinha inegáveis simpatias republicanas.

Hugo Vogado: Contexto histórico da proclamação da república. A proclamação da República no Brasil ocorreu no dia 15 de novembro de 1889.

Hugo Vogado: Contexto histórico da proclamação da república

Há exatos 123 anos atrás. Isso qualquer livro de História do Brasil diz. Mas para entendermos todo o processo republicano, devemos imergir no Brasil do século XIX. Baseada prioritariamente no café, a economia brasileira do século XIX tinha como um dos seus pilares, os barões do café. Estes nobres conseguiam seus títulos nobiliárquicos com a anuência do imperador D. Depois da guerra contra Oribe e Rosas, governantes respectivamente do Uruguai e da Argentina, em 1852, o Brasil se envolveu em outra guerra, a do Paraguai, em 1864. Os militares brasileiros que lutaram na guerra do Paraguai, após o término desta, desejavam maiores benefícios e soldos, mas o Império negou-se causando com essa atitude a revolta da classe militar e sua posterior oposição à monarquia.

Outra questão que contribuiu para o fim do Império foi a religiosa. Havia também a questão sucessória, visto que D. Constituição - Só História. Era Vargas - Só História. Era Vargas é o nome que se dá ao período em que Getúlio Vargas governou o Brasil por 15 anos, de forma contínua (de 1930 a 1945).

Era Vargas - Só História

Esse período foi um marco na história brasileira, em razão das inúmeras alterações que Getúlio Vargas fez no país, tanto sociais quanto econômicas. A Era Vargas, teve início com a Revolução de 1930 onde expulsou do poder a oligarquia cafeeira, dividindo-se em três momentos: Governo Provisório -1930-1934 Governo Constitucional – 1934-1937 Estado Novo – 1937-1945 Revolução de 1930 Até o ano de 1930 vigorava no Brasil a República Velha, conhecida hoje como o primeiro período republicano brasileiro. De acordo com as políticas do "café-com-leite", existia um revezamento entre os presidentes apoiados pelo Partido Republicano Paulista (PRP), de São Paulo, e o Partido Republicano Mineiro (PRM), de Minas Gerais.

O Golpe do Exército Em março de 1930, foram realizadas as eleições para presidente da República. Rev de 1930 - Só História. Getúlio Vargas durante passagem por Itararé, em São Paulo, após vitória na Revolução de 1930.

Rev de 1930 - Só História

A Revolução de 1930 foi um movimento armado, liderado pelos estados do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraíba, insatisfeitos com o resultado das eleições presidenciais e que resultou em um golpe de Estado, o Golpe de 1930. O Golpe derrubou o então presidente da república Washington Luís em 24 de outubro de 1930, impediu a posse do presidente eleito Júlio Prestes e colocou fim à República Velha. Em 1929, as lideranças de São Paulo deram fim a aliança com os mineiros, conhecida como “política do café-com-leite”, e recomendaram o paulista Júlio Prestes como candidato à presidência da República.

Em contrapartida, o Presidente de Minas Gerais, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada apoiou a candidatura oposicionista do gaúcho Getúlio Vargas. Da Constituição de 1937 pode-se destacar que: Para ler mais sobre as contituições, clique ! 50 anos do golpe de 64. Domínio Espanhol no Brasil. Em 1557 assumiu o reinado de Portugal um jovem rei, D.

Domínio Espanhol no Brasil

Sebastião, que reinou até 1578 quando morreu combatendo os mouros no norte da África na batalha de Alcácer Quibir. O jovem rei 2. Sebastião não deixou descendentes e o seu parente mais próximo era um tio velho, que era cardeal e acabou morrendo sem deixar descendentes em 1580. Porém, o rei da Espanha, Felipe II era neto de D. Manuel, o Venturoso, e achava-se com direito ao trono de Portugal, por ser descendente da dinastia de Ávis. Assim, Portugal com suas colônias na Ásia, na África e na América, passaram para o domínio do rei da Espanha. Esta união entre Portugal e Espanha chamou-se de União Ibérica e durou até 1640. O domínio espanhol modificou a vida dos portugueses na metrópole e na sua colônia do Brasil, pois a Espanha estava acostumada a extrair grandes quantidades de ouro de suas colônias na América, pouca importância deu ao Brasil. Guerra do Paraguai. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Guerra do Paraguai

A derrota marcou uma reviravolta decisiva na história do Paraguai, tornando-o um dos países mais atrasados da América do Sul, devido ao seu decréscimo populacional, ocupação militar por quase dez anos, pagamento de pesada indenização de guerra, no caso do Brasil até a Segunda Guerra Mundial, e perda de praticamente 40% do território em litígio para o Brasil e Argentina.