background preloader

Clovis Rossi

Facebook Twitter

Folha.com - Primeiro jornal em tempo real em língua portuguesa. As 90 reportagens que fizeram história As 90 reportagens que fizeram história da Folha. "Um rio desafia o Brasil", de Mário Mazzei Guimarães Série de 16 reportagens com enfoque econômico sobre a região cortada pelo rio São Francisco e suas carências.

Recebeu o prêmio Esso de Jornalismo. "De repente, a violência", de Gil Passarelli Fotografia registrou confronto entre grupos de alunos do Mackenzie devido às eleições para a União Estadual dos Estudantes de SP. Caso Calabouço, de fotógrafo não identificado Imagem retratou padres tentando impedir policiais de se aproximarem de grupo que havia assistido à missa de 7º dia da morte de jovem baleado no Rio. "Operação salva vítimas de infarto agudo", de Julio Abramczyk Reportagem apontava que a ponte de safena era nova técnica que poderia salvar vidas de pessoas infartadas.

"O prefeito é Olavo Setúbal", reportagem não assinada "O jogo dos miseráveis", de Flávio Adauto "Fala Figueiredo", de Getúlio Bittencourt e Haroldo Cerqueira Lima. Sem querer? Veja como jornalistas usaram o acaso para conseguir grandes furos de reportagem. Detalhes Publicado em Quinta, 05 Setembro 2013 14:40 Escrito por Nathália Carvalho Dizem que, para os que acreditam em destino, nada é por acaso. A verdade é que, quando o assunto é jornalismo, é preciso ficar atento a tudo - o tempo inteiro. É necessário treinar o olhar, como diz a editora assistente de O Globo, Angelina Nunes.

"A grande diferença é aperfeiçoar os olhos para enxergar a cidade". As pautas estão aí e, claro, além de ser bom observador, contar com um pouco de sorte não faz mal. Confira, abaixo, os relatos sobre três grandes reportagens: Em comédia, Johnny Depp interpreta jornalista (Imagem: Reprodução) João Antônio Barros, O Dia (Imagem: Divulgação)O desaparecimento da bolsa - João Antônio Barros, O Dia"Estava conversando com um amigo, que é alguém, inclusive, que sempre me conta coisas que rendem pautas. Clóvis Rossi, Folha de S. Angelina avalia que o equilíbrio entre estar na redação e na rua é o ponto chave. Cásper Líbero | Especial Clóvis Rossi. Enviado especial | 25 anos ao redor do mundo - Editora Senac - São Paulo. Entrevista especial com o jornalista Clóvis Rossi | Cásper Líbero.

Acervo Pessoal/Clóvis Rossi Após ter sofrido uma queda que causou a fratura detrês costelas em Madrid, o jornalista recebeu a visitado ex-presidente Lula Entre diversos nomes a serem mencionados para a segunda edição do especial Casperianos, um deles era sempre constante: o do grande jornalista Clóvis Rossi. Frequentemente ele é lembrado por estudantes e profissionais de comunicação pelas coberturas que realizou, além de reportagens e livros de sua autoria (como O Que é Jornalismo? , da Editora Brasiliense). Atualmente, ele vive conectado por meio de seu iPad e escreve quase que diariamente em sua coluna no jornal e no site da Folha de S.Paulo. Ao receber o convite por e-mail, Clóvis se mostrou interessado em lembrar os tempos da faculdade e refletir sobre a sua trajetória profissional. Clóvis Rossi começou a estudar na Faculdade Cásper Líbero em 1962 e a realidade era completamente diferente.

Para ler e ouvir a entrevista, volte à página do especial e acesse todo o conteúdo. Ouça os melhores momentos da entrevista com Clóvis Rossi | Cásper Líbero. Clóvis Rossi divide sua experiência de correspondente internacional com os alunos | Cásper Líbero. “Jornalismo não se ensina. Jornalismo se faz com quatro verbos: ver, ler, ouvir e contar.” Essa foi a receita que o jornalista Clóvis Rossi passou para os estudantes da Cásper Líbero durante a palestra “Correspondente internacional – atuação e carreira”, que aconteceu no dia 19 de junho. O jornalista foi enviado especial durante muito tempo e teve a oportunidade de conhecer os cinco continentes realizando coberturas. Além disso, participou de momentos históricos, como a queda do Muro de Berlim, em 1989, e o Golpe Militar no Chile, em 1973. E qual a diferença entre o trabalho de um correspondente e o de um enviado especial? Ultimamente as empresas de comunicação têm obtido informações do exterior através das agências de notícias, como a mais famosa delas, a Reuters.

Para trabalhar como repórter fora do país, é importante ter o domínio da língua local. Jornalistas: Clóvis Rossi, por Alessandra Zaidan Santos. Clóvis Rossi, por Alessandra Zaidan Santos (São Paulo, 25 de janeiro de 1943 - ) Quem é: Jornalista, colunista, repórter especial e membro do Conselho Editorial da “Folha de S. Paulo” onde trabalha desde 1980. Participou de coberturas internacionais como a do Golpe no Chile em 1973 e até mesmo a Copa do Mundo da França em 1998. Qual sua importância: É conhecido por “não ter papas na língua” e fala o que pensa, principalmente quando o assunto é política.

Como podemos conhecê-lo: A partir da coluna que escreve aos domingos, para o jornal Folha de S. Acompanhe o trabalho de Clóvis Rossi | Cásper Líbero. RADAR JORNALÍSTICO: Homenagem ao Jornalista Clóvis Rossi. Clóvis Rossi é repórter especial, colunista e membro do conselho editorial da Folha de S. Paulo. Por Thais S. Gonçalves   Trabalhou no Jornal do Brasil e foi editor-chefe do jornal Estado de S. Paulo. Este paulistano, nascido em 1943, também escreveu vários livros sobre jornalismo: ”Enviado especial - 25 anos ao redor do mundo”, “O que é jornalismo?” Ele considera que o jornalista que trabalhou em jornal diário é um batalhador e segundo Rossi, o bom jornalista brasileiro compete em igualdade de condições com o bom jornalista norte-americano ou europeu.

Aos 44 anos de profissão, diz que tem pela frente umas dez mil batalhas, todas interessantes. Clóvis Rossi é um jornalista bem sucedido e renomado no meio jornalístico, com mais de 40 anos de profissão. “O jornalismo é uma fascinante batalha pela conquista das mentes e corações de seus alvos: leitores, telespectadores, ou ouvintes. Clóvis Rossi. Colunistas - Clóvis Rossi - Viagem às feridas de uma paixão juvenil - 13/09/2010. Jornalisticamente Falando...: Entrevista especial-Clóvis Rossi. Fiz esta entrevista na faculdade em 2008 e considero-a bem interessante: Nascido na cidade de São Paulo em 1943, Clóvis Rossi é colunista, repórter especial e membro do Conselho Editorial da Folha de S.

Paulo. Trabalhou no Jornal do Brasil e foi editor-chefe do Estado de S. Paulo. Teve participação em diversas coberturas internacionais de grande repercussão, tanto pelo Estadão como pela Folha, da qual foi correspondente e Madri. Escreveu em sua carreira vários livros sobre jornalismo, entre eles “Vale a pena ser jornalista? Outro livro que merece destaque é “Enviado Especial-25 anos ao Redor do Mundo”. Clóvis Rossi considera que o jornalista que trabalha em jornal diário é um batalhador, que “precisa matar um leão por dia”. Entrevista : Aurelio Moraes Em 1999 você lançou o livro "Enviado Especial-25 anos ao redor do mundo".

Entrevista – Clóvis Rossi | ABI. Repórter dedicado a testemunhar a História José Reinaldo Marques09/03/2007 Nascido na cidade de São Paulo em 1943, Clóvis Rossi é colunista, repórter especial e membro do Conselho Editorial da Folha de S. Paulo. Trabalhou no Jornal do Brasil e foi editor-chefe do Estado de S. Paulo. Escreveu vários livros sobre jornalismo, entre eles “Vale a pena ser jornalista? Clóvis Rossi considera que o jornalista que trabalha em jornal diário é um batalhador, que “precisa matar um leão por dia”. Nesta entrevista o leitor vai conhecer a experiência de Rossi, sua opinião sobre o jornalismo nacional e por que prefere sair da tranqüilidade da redação para pôr os pés nas ruas atrás da boa notícia. ABI Online — Sabemos que você gostaria de ter sido diplomata, então por que decidiu vir a ser jornalista? ABI Online — O jornalismo é mesmo aquilo que você pensava ou você, com o tempo, percebeu que não tinha uma opinião bem-formada a respeito do dia-a-dia de uma redação?

GIJC 2013: Clóvis Rossi e Juan Arias. Especial Jornalistas (bloco 2) Provocações 045 com melhores momentos de jornalistas - bloco 02. Provocações 045 com melhores momentos de jornalistas - bloco 01. #3 Dialogando com Clóvis Rossi. Clovis Rossi. Elecciones en Brasil 2014. Especial Jornalistas (bloco 2) Entenda a corrupção no Brasil - YouTube.flv. Clóvis Rossi exclusivo para o Portal.

Programa 45 - poema 2. Clóvis Rossi fala sobre a Argentina - Jornalismo sem Fronteiras. Especial Jornalistas (bloco 1) Depoimento de Clóvis Rossi - Prêmio Comunique-se 2011. Juca Entrevista - Clovis Rossi - parte 2. Juca Entrevista - Clovis Rossi - parte 1. Juca Entrevista - Clovis Rossi - parte 3. Algo mais que samba por Clovis Rossi.

En sus relaciones con EE UU, Brasil puede tropezar una segunda vez en una piedra llamada Irán. Y en ambas tiene razón. El tropiezo que está por venir tiene este formato: día 10, Dilma Rousseff irá a los Estados Unidos para su primera visita oficial (ya estuvo antes, pero en eventos de la ONU). Pese a ello, tuvo la sinceridad de criticar duramente la política de Washington respecto a Irán. Y lo hizo dos semanas antes, en Nueva Dehli, durante la rueda de prensa para los periodistas brasileños que estábamos cubriendo la cuarta cúpula de los BRICS (Brasil, Rusia, Índia, China y Sudáfrica). "Para Brasil, las medidas de bloqueo de compras a Irán parecen extremamente peligrosas, aunque no tengamos relaciones comerciales con este país", disparó Dilma (relaciones existen, pero son inferiores al 1% de las exportaciones brasileñas y aún menos para la importación).

Rusia presionó para que el documento final de los BRICS denunciara la presión de EE UU, pero no funcionó. Traducción: Beatriz Borges. Clóvis Rossi, um repórter de mão-cheia | Observatório da Imprensa – Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito. Me gustaría empezar por agradecer a mis colegas del Consejo Rector del Premio Nuevo Periodismo por el honor de poder presentar a nuestro homenajeado de este año. Para mi es un honor muy especial y mas que eso, una emoción profunda participar de este homenaje, pues soy un viejo amigo y compañero de algunas aventuras periodísticas de Clovis Rossi.

Me quedaría corto, sin embargo, si dijera apenas que soy amigo de Rossi. Tengo que confesar aquí que el ha sido mi ídolo, antes mismo de conocerlo, cuando para mi, el era apenas una firma en el periódico y un modelo de periodista que yo, joven en el oficio, quisiera seguir. Estoy hablando del inicio de los años 70, cuando Rossi aun estaba en el periódico O Estado de S.Paulo y ya iniciara su infatigable destino de enviado especial a las más variadas latitudes de este planeta. Cosa que sigue haciendo hasta hoy, cuando cumple 41 años de practicar el periodismo con dignidad, pasión, honestidad y inmensa habilidad.

En su libro Que es el periodismo? Comunidade Shalom | Bate papo informal com jornalista Clovis Rossi sobre o Oriente Médio atual. Imprensa: Clóvis Rossi será premiado nos EUA - 06/07/2001. Clóvis Rossi premiado | Observatório da Imprensa – Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito. Quatro jornalistas latino-americanos foram honrados com os prêmios Maria Moors Cabot de 2001, devido à cobertura que desempenharam na América Latina. O anúncio ocorreu no dia 13 de julho, e os ganhadores são Monica Gonzalez, Jorge Ramos, Clóvis Rossi e Sebastian Rotella, segundo a Associated Press (13/7/01). Os prêmios Cabot, em seus 63 anos, homenageiam repórteres e editores que "demonstram compromisso com a liberdade de imprensa e conhecimento interamericano".

São oferecidos anualmente pela Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, nos EUA. Monica, jornalista e escritora de Santiago do Chile, deu uma série de furos de reportagem importantes, como o do golpe de 1973 no Chile. Ramos, do México, ganhou sete Emmys como âncora de notícias internacionais para a Univision, que alcança 35 milhões de hispânicos em 13 países. Rossi, repórter e colunista em São Paulo, foi nomeado editor do Estado de S. Os prêmios serão entregues em 4 de outubro em cerimônia na Universidade de Columbia. Busca - Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.

Cl%C3%B3vis_rossi-27.03.1981_2009_5_15_16_37_28.pdf. PJ:Br - Mural do Jornalismo Brasileiro. Manchetes PREMIO NUEVO PERIODISMO CEMEX-FNPI Ganador de la modalidad Homenaje: Clóvis Rossi (São Paulo, 1943) Por Nuevo Periodismo - Colômbia El periodista brasileño Clóvis Rossi (foto), actualmente vinculado al diario Folha de S.Paulo fue declarado por el Consejo Rector del Premio Nuevo Periodismo CEMEX-FNPI como el ganador de la categoría Homenaje. Esta elección se basó en su trayectoria como reportero intachable, que en una carrera profesional de cuarenta años ha sido modelo de conducta periodística y ha contribuido como pocos al entendimiento entre Brasil y el resto de América Latina.

El reportero Clóvis Rossi nació en São Paulo en 1943 y se formó como periodista en la Fundación Cásper Líbero. En 1980 fue contratado por Folha de S.Paulo, donde labora hasta hoy. En el 2001 recibió el premio Maria Moors Cabot, otorgado por la Universidad de Columbia. Sus compañeros y quienes lo postularon subrayan su infatigable espíritu de reportero. Clóvis en primera persona Voltar. Scherer, Salgar, Clóvis Rossi, Sábat Premio Homenaje CEMEX+FNPI. ¿Cómo se mantiene la independencia informativa cuando las presiones económicas del gobierno asfixian, cuando una bomba estalla en la redacción, cuando una dictadura asuela las calles?

¿Qué lugar ocupa el periodismo latinoamericano en tiempos de la globalización? ¿Era mejor la antigua bohemia del oficio que la actual profesionalización académica y tecnológica? ¿Cómo se vislumbra el futuro de los medios de comunicación para quienes transitaron redacciones a lo largo de décadas? ¿Cómo eligieron esta vocación? ¿Qué fue lo primero que escribieron? Cada uno de ellos encarna los más altos valores del oficio y se constituye en ejemplo que el Consejo Rector del Premio Nuevo Periodismo presenta a las nuevas generaciones de periodistas del continente. Mais admirados e seus eleitores comentam o reconhecimento. Entrega do Prêmio • notícias • plurale em site: ação, cidadania, ambiente. Por Isabella Araripe, de Plurale De São Paulo / Fotos de Isabella Araripe A entrega do Prêmio "Os 100 mais Admirados Jornalistas Brasileiros", na noite de segunda-feira (8/12), em São Paulo, foi marcada pela defesa da imprensa livre.

Vários homenageados alertaram para tentativas de controlar a liberdade do exercício do Jornalismo. "Trago um recado dos amigos de Brasília que alguns querem nos calar. Mas não vamos deixar", advertiu o jornalista Vicente Nunes, Editor de Economia do Correio Braziliense, um dos premiados e vencedor recentemente do Prêmio Esso. "Sou um otimista. Jornalistas de diferentes perfis, idades, estados e especializações ganharam a premiação - concedida pelo Portal Jornalistas & Cia e Maxpress - que é definida por um colégio eleitoral formado por especialistas em Comunicação.

A Editora e Diretora de Plurale, a jornalista Sônia Araripe, também foi premiada. A eleição foi feita em dois turnos de votação. Infolatam El periodista brasileño Clovis Rossi recibe premio de la Cámara Española de Comercio - Infolatam. El periodista brasileño Clovis Rossi recibe premio de la Cámara Española de Comercio Infolatam Sao Paulo, 28 de junio 2007 El periodista brasileño – analista y colaborador de Infolatam- Clovis Rossi ha sido galardonado con el primer premio de periodismo de la Cámara Oficial de Comercio de España en Brasil, un galardón que reconoce su contribución a un mejor conocimiento del país europeo, de su evolución política y su pujante economía.

“Lula-2″, sin cara o con cara vieja (Especial para Infolatam).- Casi tres meses después de su toma de posesión (la segunda), todavía no tiene cara el gobierno “Lula-2″. Quedan por ser nombrados algunos ministros y secretarios de importancia relativamente menor, pero el retraso más significativo se dio en un sector clave, como lo es de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior. Imprensa: Rossi e Setti, raros encontros de caráter e talento – Ricardo Kotscho – R7. Prêmio Comunique-se. A democracia é ruim para o Jornalismo.

Livros

E se Clóvis Rossi, da Folha, lesse Aristóteles? Pode ser “delicioso”!!! ENTREVISTA COM CLÓVIS ROSSI | Blog da Comunicação. Texto sobre Octavio Frias. Conta várias passagens da carreira do Clovis. Clóvis Rossi relembra cinco décadas de jornalismo - 02/08/2014 - Ilustrada. “A faculdade era um prédio pequeno com poucas salas”, conta Clóvis Rossi | Cásper Líbero. “Fui descobrindo que a rua era muito mais divertida do que a redação”, diz Rossi | Cásper Líbero. “O jornalismo depende de quatro verbos: ver, ler, ouvir e contar”, define Clóvis Rossi | Cásper Líbero.