background preloader

Tim Burton

Facebook Twitter

Referências para TCC

10 filmes essenciais do expressionismo alemão - Cinetoscópio. 370 Flares Filament.io 370 Flares × Expressionismo alemão, de fato, tinha uma vida útil muito curta; no entanto, o seu estilo cinematográfico evidente através da iluminação, cenário e etc.

10 filmes essenciais do expressionismo alemão - Cinetoscópio

Tim Burton no País das Maravilhas. Texto por Bruna Maury.

Tim Burton no País das Maravilhas

Sombras, cores frias, olhos grandes, rostos pálidos, estranheza, melancolia, isolamento, morbidez. A que diretor de cinema remetem essas características? Se você pensou em Tim Burton, acertou. O cineasta, que será homenageado em uma mega exposição em São Paulo no ano que vem, tem 44 anos de carreira e alguns prêmios. Os mais recentes deles foram os Oscars de Melhor Figurino e Direção de Arte por Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland), em 2010. Portal .periodicos. CAPES. Pereira. Pdf 72db979303 0009802. OlintoSilvaINFORMAREv1n2. v28a10. Introducao a analise da imagem martine joly. Introducao a analise da imagem martine joly.

OlintoSilvaINFORMAREv1n2. Pdf 72db979303 0009802. Introducao a analise da imagem martine joly. Revista Biografia. A alma do expressionismo alemão e sua tradução estética no cinema. O expressionismo alemão é uma cultura de crise, reflexo da profunda crise espiritual gestada nos campos de batalhas da Primeira Guerra Mundial.

A alma do expressionismo alemão e sua tradução estética no cinema

A face da morte, estampada nos rostos de milhões de jovens precocemente ceifados, despertou os sentimentos de terror, misticismo e magia, adormecidos nas mais recônditas paragens da alma alemã. A alma do expressionismo alemão e sua tradução estética no cinema. Níveis da linguagem cinematográfica. 11.

Níveis da linguagem cinematográfica

Níveis da linguagem cinematográfica Simplificando um pouco uma questão que pode ser bem complicada, existem dois níveis de apresentação das imagens num filme, dependendo do modo como você pretende que o espectador compreenda a origem do que está sendo mostrado. Cor. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Cor

A cor é uma percepção visual provocada pela ação de um feixe de fótons sobre células especializadas da retina, que transmitem através de informação pré-processada ao nervo óptico, impressões para o sistema nervoso.[1] A cor de um material é determinada pelas médias de frequência dos pacotes de onda que as suas moléculas constituintes refletem. Um objeto terá determinada cor se não absorver justamente os raios correspondentes à frequência daquela cor. Assim, um objeto é vermelho se absorve preferencialmente as frequências fora do vermelho. A cor é relacionada com os diferentes comprimento de onda do espectro eletromagnético. Considerando as cores como luz, a cor branca resulta da sobreposição de todas as cores primárias(verde, azul e vermelho), enquanto o preto é a ausência de luz.

A magia da iluminação: entre a luz e a sombra. Braço direito do diretor de fotografia no set, o gaffer ainda soa como um nome estranho para aqueles que não estão envolvidos no universo do cinema Por Danielle de Noronha.

A magia da iluminação: entre a luz e a sombra

Cultura. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Cultura

A expressão simbólica humana começou a se desenvolver na pré-história. A religião e a arte são importantes manifestações da cultura humana. Celebrações, rituais e padrões de consumo são significantes aspectos da cultura popular. A organização política e social varia entre diferentes culturas. A Arte de Tim Burton. Tim Burton - O Diretor Tim Burton nasceu em 25 de Agosto de 1958 na Califórnia, Estados Unidos.

A Arte de Tim Burton

É um dos maiores e mais estilosos diretores da atualidade. Seus filmes fazem muito sucesso e deram a ele milhares de fãs ao redor do mundo. Tim Burton. Conceito CULTURA. Estética do cinema. O crítico francês Gérard Betton faz, em sua Esthétique du cinéma (1983), uma sistematização dos elementos fundamentais da linguagem cinematográfica, apontando ferramentas teórico-metodológicas para analise de filmes.

Estética do cinema

Escolhemos esse livro como pedra de toque dentre os enúmeros manuais do gênero pela amplitude e clareza dessa sistematização e pelo capítulo dedicado às relações entre cinema e literatura. Na Introdução, define cinema da seguinte maneira: “o cinema é, antes de mais nada, uma arte, um espetáculo artístico. É também uma linguagem estética, poética ou musical – com uma sintaxe e um estilo; é uma escrita figurativa, e ainda uma leitura, um meio de comunicar pensamentos, veicular ideias e exprimir sentimentos.

Uma forma de expressão tão ampla quanto as outras linguagens (literatura, teatro, etc.), bastante elaborada e específica”. Subjetividade. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Subjetividade

Subjetividade é entendida como o espaço íntimo do indivíduo, ou seja como ele 'instala' a sua opinião ao que é dito (mundo interno) com o qual ele se relaciona com o mundo social (mundo externo), resultando tanto em marcas singulares na formação do indivíduo quanto na construção de crenças e valores compartilhados na dimensão cultural que vão constituir a experiência histórica e coletiva [1] dos grupos e populações.

Imagem. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Imagem (do latim: imago) significa a representação visual de imagens.[1] [2] [3] Em grego antigo corresponde ao termo eidos, raiz etimológica do termo idea ou eidea, cujo conceito foi desenvolvido por Platão. O Expressionismo Alemão. Página 2: apêndices >>página 3: a lista de filmes >> Introdução. Film Noir. À Pedra de Toque: Estética do cinema. A Arte de Tim Burton, A Linguagem Cinematográfica. Início. Zoom - Cinema Noir. EXPRESSIONISMO ALEMÃO. Bocc-penafria-analise. Com estilo peculiar, Tim Burton deixa sua marca no cinema mundial - SaraivaConteúdo - Para Ler. Por Luma Pereira Na foto ao lado, o cineasta Tim Burton “Beetlejuice, Beetlejuice, Beetlejuice”.

Basta pronunciar essa palavra três vezes para que apareça Michael Keaton, ou melhor, o “Besouro Suco”, no filme Os Fantasmas se Divertem, dirigido por Tim Burton, em 1988. Quem já viu um homem com tesouras no lugar das mãos? Certamente todos se lembram de Edward Mãos de Tesoura, de 1990. Esse foi o primeiro de muitos filmes de Burton protagonizados por Johnny Depp – o início da parceria de ambos. “O que justifica a parceria está no que o cineasta diz a respeito de uma qualidade que certos atores possuem: o de expressar, no olhar, uma perturbação, uma tristeza, algo que não é transmitido em gestos e palavras”, afirma Márcio Henrique Muraca, mestre em Teoria Literária que publicou um artigo sobre Burton na revista Semioses, da Unisuam. Dimensões argumentativas do discurso fílmico: projeções retóricas na tela do cinema. Dimensões argumentativas do discurso fílmico: projeções retóricas na tela do cinema.

O_impacto_econmico_do_setor_audiovisual_brasileiro.