background preloader

Amor e Tecnologia

Facebook Twitter

Proje��o de imagem que esbo�a emo��o no jap�o. 'Densha Otoko' mostra romance na era da internet - Entretenimento - Made in Japan. Facebook. Apple e Facebook pagam para as funcionárias congelar seus óvulos. Isso é bom para quem? - ÉPOCA. Certa vez, durante uma entrevista a ÉPOCA, a escritora Camille Paglia defendeu que “o feminismo não foi honesto com as mulheres”.

Apple e Facebook pagam para as funcionárias congelar seus óvulos. Isso é bom para quem? - ÉPOCA

Segundo ela, o feminismo como se desenvolveu a partir de 1960, criou a ilusão de que era possível, para as mulheres, conciliar as ambições profissionais com o desejo de ser mãe, ao adiar a maternidade. Em certo momento, Camile diz: “Uma geração inteira de profissionais americanas adiou a maternidade e, quando finalmente decidiu engravidar, teve problemas de fertilidade”. As posições de Paglia são polêmicas. Postas de lado suas críticas ao feminismo, a autora ressalta uma questão em voga nas organizações: como permitir que as mulheres sejam mães (caso queiram, claro) sem que, para isso, precisem pôr de lado suas ambições profissionais. Dê um Beijo - Apps para Android no Google Play. AniWorld is a game designed to help your child learn more about animals in an interactive enjoyable fun way.Your kid would love this game and during this fun game will learn more about animals and their world.

Dê um Beijo - Apps para Android no Google Play

The game offers 3 groups of animals for the kid to choose from: - Jungle, farm, pets.- 36 animals and sounds the kid can choose and play with. When the kid choose an animal in the game he is transferred to the animal screen. In this screen the kid sees the animal and hears the animal sound and name. Pôster interativo proporciona beijo virtual entre fã e ídolo. A invenção do amor. A Million First Dates - Dan Slater. Kikuo Johnson After going to college on the East Coast and spending a few years bouncing around, Jacob moved back to his native Oregon, settling in Portland.

A Million First Dates - Dan Slater

Almost immediately, he was surprised by the difficulty he had meeting women. Having lived in New York and the Boston area, he was accustomed to ready-made social scenes. In Portland, by contrast, most of his friends were in long-term relationships with people they’d met in college, and were contemplating marriage. Jacob was single for two years and then, at 26, began dating a slightly older woman who soon moved in with him. Before long, his new relationship fell into that familiar pattern. After five years, she left. Campanha mostra porque a tecnologia não pode substituir o amor dos pais.

Numa era onde internet e smartphones facilitam e resolvem grande parte dos problemas, parece difícil viver sem eles.

Campanha mostra porque a tecnologia não pode substituir o amor dos pais

A distância física, por exemplo, parece ser compensada através da tecnologia, que torna possível a comunicação por vídeo em tempo real onde quer que você esteja. Mas o toque, o abraço, o conforto de um colo não pode ser substituído por uma tela. Partindo deste princípio, a operadora telefônica tailandesa Dtac lançou um anúncio comovente mostrando uma situação rotineira, um bebê chorando e um pai sem saber o que fazer. Desesperado, ele faz uma videoconferência com a mãe da criança em busca de resolver o problema. Her: Love In The Modern Age.

Eduardo e Mônica nos tempos de hoje. Calma, cara, a tecnologia não vai destruir o amor – Lugar de Mulher. Poucas coisas parecem tão certeiras em cativar geral quanto discursos fatalistas .

Calma, cara, a tecnologia não vai destruir o amor – Lugar de Mulher

É quase um fetiche dos nossos dias decretar a morte de tudo, especialmente se a grande culpada for a tecnologia. Bad tecnologia. E quando o assunto é amor, pessoal simplesmente entra em combustão espontânea. Inclusive, parece que cada frustração que sofremos, agora, serve para fundamentar longas listas de como é ruim e ultra tecnológico o romance moderno. Se um ET chegasse no mundo ele leria essas coisas e teria certeza que antes dos aplicativos não existiam relacionamentos ruins, corações partidos e parceiros cuzões. Conversa no WhatsApp é usada como prova de paternidade em SP. Mensagens trocadas pelo WhatsApp serviram como prova de indício de paternidade em um processo em andamento na 5ª Vara da Família de São Paulo.

Conversa no WhatsApp é usada como prova de paternidade em SP

Em sentença, o juiz André Salomon Tudisco exigiu o pagamento de R$ 1 mil mensais para a cobertura de despesas durante a gestação. O relacionamento do casal, que se conheceu pelo Tinder, durou pouco, mas foi o suficiente para que ela engravidasse. Esposa vai à Justiça para obrigar marido a mostrar mensagens do WhatsApp. O WhatsApp é o mensageiro mais popular do mundo na atualidade e conta com mais de 600 milhões de usuários pelo globo.

Esposa vai à Justiça para obrigar marido a mostrar mensagens do WhatsApp

Seria estranho se o app não estivesse metido no meio de alguma confusão por ai. Um processo que corre no Tribunal de Justiça de Santa Catarina prova que confusões relacionadas ao mensageiro não são tão incomuns quanto poderíamos imaginar. Uma mulher moveu uma ação nesse tribunal para forçar o marido a mostrar as mensagens que tem trocado com várias pessoas em seu smartphone. O responsável pelo caso é o juiz Alexandre Morais da Rosa, da 4ª vara criminal do TJSC. Robôs no tratamento do autismo…será? O autismo é um tema que tem aparecido com frequência na mídia e também aqui no Blog.

Robôs no tratamento do autismo…será?

No dia 13/10, publicamos entrevista com a psicanalista e psiquiatra Vera Regina Fonseca para falar sobre autismo em adultos. Robôs que entendem emoções humanas. Friday, 10 January 2014 16:56 Robôs que entendem emoções humanas Pesquisa da Poli abre caminho para que computadores compreendam a conotação emocional da fala e reações.

Robôs que entendem emoções humanas

“Eu não gosto de verduras”, diz Frank, um idoso que vive sozinho no interior dos Estados Unidos. Brasileiros desenvolvem robôs que entendem emoções. Robótica Redação do Site Inovação Tecnológica - 26/07/2013 Robôs já fazem parte do cenário atual, mas entender o que os humanos sentem ainda é um desafio ainda a ser vencido.

Brasileiros desenvolvem robôs que entendem emoções

[Imagem: Marcos Santos/USP Imagens]